terça-feira, 3 de maio de 2011

As Mil e Uma Noites

Um dos motivos que me levou, há alguns anos, a adquirir o livro “As Mil e Uma Noites” foi a minha fissura por contos árabes. Desde criança, passando pela adolescência e agora na fase adulta, me encanto com essas histórias tão simples, mas ao mesmo tempo tão mágicas. Me lembro que ainda criança não perdia um filme sobre “Simbad – O Marujo”, “Ali Baba e os 40 Ladrões” ou então qualquer outro que tivesse tapetes voadores, califas, torres mágicas, marinheiros que navegassem por mares bravios e por ao afora. Como já disse, essa fissura não terminou quando ingressei na fase adulta, pelo contrário, continuei admirando esse tipo de literatura. Foi assim que durante uma das minhas madrugadas na Net dei de cara com uma edição luxuosa das “Mil e Uma Noites”, publicada pela Ediouro, com direito a dois livros e uma apresentação do grande Malba Tahan. Não pensei e tão pouco refleti... simplesmente, comprei e, correndo!
Hoje esses dois livros que formam um só, estão numa posição de destaque em minha humilde biblioteca. Esta edição é uma versão muito bem elaborada pelo orientalista Antoine Galland que ficou famoso por fazer a tradução para o francês dos famosos contos árabes e orientais em 1704.
Os dois livros possuem aproximadamente 1.080 páginas da mais pura magia. As histórias são narradas em cadeia por Sharazade, esposa do sultão Shariar que ficou louco ao ser traído pela sua primeira mulher que sempre dormia com um escravo toda vez que o sultão viajava. Um dia, Shariar descobriu a traição e matou a sua esposa e o escravo, passando a se convencer que nenhuma mulher era digna de confiança e por isso, mereciam ser punidas. A partir daí ele desposa uma noiva diferente todas as noites, mandando matá-la logo pela manhã. Vendo o medo e o sofrimento das mulheres do reino, Sharazade, a filha do vizir (uma espécie de conselheiro do sultão) se oferece para se casar com Shariar, mesmo contra a vontade de seu pai que passa a temer pela vida da filha. Sharazade, então, combina com a sua irmã que ela lhe peça, na presença do sultão, que lhe conte uma história. E assim é feito. A história contada por Sharazade e interrompida ao amanhecer, prende a atenção do marido que implora para que a sua esposa revele o final antes de ser enviada para a morte; mas a moça, muito esperta, avisa que só continuará quando a noite chegar. E assim, ela vai adiando a sua morte contando, a cada noite, uma história diferente, mas sempre é interrompendo-a pela manhã.
O livro, ou melhor, os livros (na edição da Ediouro são dois) seguem essa premissa com a personagem interrompendo o conto quando ele está perto de atingir o “clímax”, deixando o leitor impaciente e ao mesmo tempo curioso para saber o que aconteceu com o herói ou vilão do conto.
Quando li “As Mil e Uma Noites” me senti o próprio sultão Shariar, querendo desesperadamente saber o final de cada conto. Resultado: leitura viciante e noites e mais noites em claro com o livro nas mãos.
São páginas da mais pura magia, contos que prendem o leitor como uma teia de aranha da qual não consegue escapar. Algumas histórias fizeram tanto sucesso que acabaram se transformando em livros próprios, além de ganhar inúmeras versões para o cinema. Posso citar nesse contexto os contos de “Simbad, O Marujo”, “Ali Baba e os Quarenta Ladrões” e “Aladim e a Lâmpada Maravilhosa”, mas é importante lembrar que os outros contos menos famosos também são especiais e tem o mesmo poder viciante que prende o leitor em suas páginas.
Na edição de luxo da Ediouro, cada conto narrado por Sharazade corresponde a uma noite. Portanto os livros não são divididos por capítulos, mas por noites, ou seja, Primeira Noite, Segunda Noite, Terceira Noite... Septuagésima Noite, Septuagésima Primeira Noite, etc e etc... É evidente que os dois livros não trazem em suas páginas todas as mil e uma noites, mas as duzentas e poucas noites presentes já bastam para cumprir de maneira brilhante o seu papel.

4 comentários:

  1. o livro
    é muito legal e eu to fazendo agora um resumoi dele o resumo que é chato fazervoce ja fez?
    eu estudo na fundação bradesco e foi a minha prof juliana que me passou este resumo para fazer mas ela passou para o nosso bem vai ter uma prova que vai vim la de lonje para a jente fazer e por acaso é do assunto deste livropor isto eu amo esta professora por que so quer o bem para a jente .
    eo gosto do livro sim e quem não gosta devia gostar não é mesmo?
    ele é legal pessoal duvido que voces lerão pra falar isto que ele é chato é melhor rir da cara de quem não gosta pra não poder chorar
    né?

    ResponderExcluir
  2. Gostaria de saber se você sabe onde consigo encontrar esses livros para compra meu e-mail: manu18_sud2hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vendo coleção completa(6 volumes) completamente nova
      " olivro das mil e uma noites" de 1958.

      Excluir
  3. Com relação ao livro "As Mil e Uma Noites", lançado pela Ediouro em dois volumes numa caixa de luxo, está praticamente esgotado. Consegui encontrar um link onde acredito que a obra esteja disponível; mas seja rápida, caso contrário, com certeza vai ficar sem.. Anote:

    http://www.inbooks.com.br/livros/GA0230//mil-e-uma-noites-as-2-vols.html?origem=buscape

    Abcs!

    ResponderExcluir